terça-feira, 6 de outubro de 2009

Quadrilha


Repostagem de um conto que publiquei anteriormente em outro blog.


Antônio gostava de Marina, que era secretamente apaixonada por Bernardo, que estava interessado em Sandra, que amava Carlos, que era imaturo demais para saber o que queria. Uma quase-quadrilha digna de Drummond. Antônio decidiu nem lutar por Marina, que nunca teve coragem de dizer a Bernardo como se sentia. Este, por sua vez, ainda está se recuperando do fora que levou de Sandra, que resolveu colocar a vida amorosa em segundo plano para se dedicar à carreira. Dizem que Carlos já se apaixonou inúmeras vezes, mas nunca amou de verdade ninguém além de si mesmo. Maldito coração burro. Ou a culpa é do Cupido, que vai trabalhar sem ter dormido bem à noite e erra as pontarias dos corações de muitas pessoas, como as citadas acima. Ou somos nós que, por vezes, não enxergamos um palmo à nossa frente? Não quero que o amor seja racional, mas ser correspondido de vez em quando não tem preço.



19 comentários:

Sarah Lee disse...

Não tem mesmo. Muitos já me disseram assim "vc não encherga Sarah?" e eu dou uma risada "imagina impressão sua" e quase levou um beliscão. É bem interessante isso é a relaidade mesmo!

Lindo!
Beijos!

Tucha disse...

As vezes acontece de dá certo, no mais é confuso este tal de querer bem...

Clara disse...

Ai paulinha !!
Que legal gostei muito...deveria escrever mais contos.
beijos

Carla Martins disse...

Nossa, tenho só uma palavra para definir seu texto: GENIAL!!!!!

Georgia disse...

Tudo bem por ai?

Me lembro desse conto, Paulinha.

Esse querer... é fogo...

Bjus

Ruby disse...

E a gente sempre querendo quem quer outra pessoa. Às vezes pra esquecer, tenta outra paixão, que pode até dar certo, outras, sempre haverá o amor pra sempre que não foi correspondido. Conflitos que sempre vão existir. Beijos.

Keka disse...

nossa,que bonitinho. é conhecdi esse negocio de um amar o outro rs.

Bia Kohle disse...

Esse querer... é fogo...²

Bia Mendonça disse...

A impressão que eu tive quando li esse seu post, foi de já ter lido , pelo menos, algo parecido antes. Provavelmente nos meus tempos de Capricho!

bjs

Carlinha Said disse...

A gente sempre culpa o cupido...mas o coração é um músculo burro...como diz o "poeta": geralmente, "quem eu quero não me quer, quem me quer eu mando embora"

rs

bom post! beijos

Bruh Barz disse...

Oie!!
Antes quero agardecer sua participação lá na promoção do BELEZZA FEMININNA!
Muito Obrigada!!
E dizer tbm q seu espaçinho é lindo!!!

Amei o texto hahaha!
Sinceramente, acho q em muitos tombos que eu tive no "amor" foi por mera burrice mesmo, a gente tem mania de se "apaixonar" por quem ñ quer a gente...PARECE Q É BOM SOFRER NEH?

hauahaa
Super bjo e passa lá no blog
http://belezzafemininna.blogspot.com/

Bia Mendonça disse...

Paulinha, eu enviei as perguntas ontem , por email. Ainda não recebeu?

bjs

Georgia disse...

Paulinha, está tudo bem por ai???

Bjus

(marta selva) disse...

eh.. nao custava nada ser correspondido de vez enquando..assim..so pra variar :T

Raquel disse...

Oi Paula!
Menina cadê vc? E o Diário?? Vc não me deu mais notícias!!...
Mesmo que vc desista de me enviar, me diga ppelo menos se está tudo ok!!...
Aguardo...

Xêro
Raquel

Thaís A. disse...

Adorei! Nada melhor do que ser correspondido!
Fiz 14 anos, uma criança ainda, haha :B

Ana disse...

lindo demais! ♥

bjosss

Ela disse...

ah! EU CONCORDO TANTO CONTIGO!!!!!!!!!!!!

Sofia A. disse...

A grande mágica de tudo é que o amor não funciona de forma racional, o amor se baseia no sonho e por isso não há escolha.
Um beeijo!

Postar um comentário